top of page
  • Advocacia Manhães de Almeida

Cautelas jurídicas na aquisição de imóveis - parte IV

Dando continuidade à série de cautelas na aquisição de imóveis, falamos hoje especificamente sobre a aquisição de lote de terreno urbano.


Tal assunto é de extrema relevância, ao passo que, não bastassem as cautelas usuais que devemos ter na aquisição de imóveis (situação jurídica do imóvel e idoneidade financeira do vendedor), há alguns pontos específicos a serem analisados, a depender do tipo de loteamento do qual o lote faz parte.


O parcelamento do solo é regulado pela Lei 6.766/79, que define loteamento como “a divisão de gleba em lotes destinados a edificação, com abertura de novas vias de circulação, de logradouros públicos ou prolongamento, modificação ou ampliação das vias existentes”.


Com as alterações introduzidas pela Lei 13.465/2017, a Lei 6.766/79 passou a regular, também, os denominados “loteamentos com controle de acesso” e os “condomínios de lotes”.


Portanto, ao adquirirmos um lote, precisamos entender a que tipo de loteamento esse lote faz parte, a saber: (a). loteamento convencional, (b) loteamento com controle de acesso e (c) condomínio de lotes.


O loteamento convencional é aquele em que a gleba de terra é parcelada com a abertura de ruas e doação ao Município de áreas de lazer, verde e finalidades institucionais (creches, escolas, posto de saúde, etc).


O loteamento com controle de acesso, além das usuais obrigações de implantação de infraestrutura e de doação de áreas para o Município, diferencia-se do convencional, pois conta com a aprovação do Município para que seu perímetro seja cercado/murado e que tenha portaria para controlar (mas não impedir) o acesso público.


Aprovado como “loteamento com controle de acesso”, contará o empreendimento, por disposição legal, com uma Associação de Moradores, à qual aderirão os adquirentes de lotes, obrigando-se a contribuir para com as despesas decorrentes da manutenção e conservação dos espaços e equipamentos públicos que, por contrato administrativo de concessão firmado com o Município, passam a ser de uso da respectiva Associação (e, por conseguinte, de seus associados).


Por fim, temos o chamado “condomínio de lotes”, no qual cada lote é uma unidade autônoma cujo proprietário é, também, titular de uma fração ideal das demais áreas comuns do empreendimento. Para deixar clara essa situação, podemos equiparar o lote integrante de um “condomínio de lotes” a um apartamento dentro de um condomínio edilício, onde o apartamento é a unidade autônoma de uso e propriedade exclusiva e, as áreas como portaria, lazer e elevadores, são as áreas de propriedade e uso comuns.


Entendidos os principais conceitos dos diferentes tipos de loteamentos e feita a opção pela modalidade que melhor atende às necessidades do adquirente (especialmente porque, a depender do tipo de empreendimento, há custos e despesas que passam a ser de obrigação do adquirente), seguem algumas recomendações básicas que minimizarão as chances de um possível transtorno futuro:


1) Verificar o histórico da empresa responsável pelo empreendimento, inclusive e especialmente mediante referências sobre loteamentos anteriores que tenham sido lançados;


2) Certificar-se sobre a infraestrutura do empreendimento: quem as custeará, quais serviços essenciais estarão instalados e quem será responsável por administrá-los;


3) Ter atenção redobrada sobre a Associação de Moradores, qual o papel a ser desempenhado por esta, o custo estimado da taxa associativa - lembrando que boa parte doas litígios judiciais que envolvem loteamentos diz respeito à obrigatoriedade de associar-se, ou não, e de pagar, ou não, as taxas associativas;


4) Conferir no cartório de Registro de Imóveis o registro do empreendimento (tanto do loteamento quanto do condomínio de lotes), licenças, aprovações e serviços contratados junto aos prestadores de serviços públicos (fornecimento de água, energia elétrica, etc.);


5) Ler com atenção todos os itens do contrato particular, em especial áreas do lote, prazo para conclusão do empreendimento e transmissão da posse do lote para fins de edificação, responsabilidade pela execução de obras de infraestrutura e de obras complementares do empreendimento e penalidades por inadimplemento;


6) Verificar se há restrições urbanísticas impostas pelo loteador no que se refere às construções que se pretende fazer no lote.


Assim, uma vez tomadas as cautelas jurídicas recomendadas, o adquirente também deve analisar o desenvolvimento da região em relação a adensamento, instalações de comércio local, transporte público, acesso para a região, qualidade das construções do entorno e demais fatores que podem contribuir para que a aquisição de lote também seja um investimento passível de valorização.

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Trégua

Moratória tributária às avessas

Medidas recentes do Governo do Estado de São Paulo e da Prefeitura Municipal de São Paulo frente ao COVID-19 Ao que se comenta - sem paixões políticas, mas apenas sob o enfoque técnico -, o Ministério

Reflexos da Recuperação Judicial nas Ações de Despejo

A maioria das empresas desempenham suas atividades em imóveis de terceiros na qualidade de locatários. Todavia, tendo em vista o cenário econômico que o país vem enfrentando, muitas delas não estão co

Commentaires


bottom of page