• Advocacia Manhães de Almeida

Opinião: Primeiras Impressões com a Aprovação do Projeto de Lei nº 1.179/20

No último dia 19 de maio, o Senado Federal aprovou o Projeto de Lei nº 1.179 de 2020, no qual trata do Regime Jurídico Emergencial e Transitório (RJET), que visa disciplinar e regulamentar as relações PRIVADAS durante a pandemia, com prazo de vigência a perdurar até o dia 30 de outubro de 2020. Quando da elaboração deste texto, o PL aguardava a sanção Presidencial.


Tomando por base o texto aprovado pelo Senado, destacamos, adiante, alguns temas tratados no PL 1179 que poderão afetar as relações privadas nos próximos meses.,

Prescrição e decadência:


Ficarão impedidos ou suspensos os prazos prescricionais e decadenciais a partir da vigência desta Lei até o dia 30 de outubro de 2020.


Tal alteração transitória traz grande modificação, principalmente no que concerne ao artigo 393 do Código Civil, que trata da aplicação do caso fortuito e força maior nas execuções contratuais, permitindo às partes o adiamento da discussão dos créditos vencidos a partir do início da pandemia.


Cumpre frisar que a Lei visou deixar claro que não se trata de nova modalidade de interrupção e suspensão dos prazos, mas, na verdade, de previsão provisória que será aplicada enquanto perdurar a situação pandêmica.

Assembleias e reuniões presenciais das Pessoas Jurídica de Direito Privado:


(i) Deverão observar as disposições e determinações sanitárias para a realização de assembleias, reuniões e outras atividades que acarretem aglomerações;


(ii) Será permitido o uso eletrônico e remoto a fim de realizar assembleia geral e reuniões administrativas.

Contratos:


(i) Devido ao início da Pandemia, as execuções dos contratos ficam afetadas diante da atual situação e reconhecem a aplicação dos efeitos do caso fortuito e força maior nos contratos, salvo os casos que já possuíam obrigações vencidas;


(ii) As regras de revisão contratual previstas no Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.245/91) não estão incluídas nos efeitos da Lei 1.179/20;


(iii) Até o dia 30 de outubro de 2020 fica suspensa a aplicação do artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor em produtos entregues via delivery, devido a dificuldade de entrega e logística para o período.

No Mercado Imobiliário:

(i) Não serão concedidas liminares de despejo por falta de pagamento até o dia 30 de outubro de 2020, bem como, nas hipóteses dos incisos I, II, V, VII e VIII do art. 59 da Lei 8245/91 (tal previsão aplica-se às ações ajuizadas a partir do dia 20 de março de 2020);


(ii) Confere poderes para os síndicos tomarem medidas sanitárias de isolamento e utilização de áreas comuns de edifícios (salão de festas, jogos, piscina academia, garagem etc).

Por fim, insta deixar claro que mesmo com advento e promulgação do Projeto de Lei nº 1.179 de 2020, que veio para regulamentar e normatizar a situação Pandêmica atual, bem como, os possíveis litígios que venham a eclodir, o mundo jurídico contratual e negocial já está sendo amargamente prejudicado diante das muitas incertezas e inconclusões trazidas com as significativas alterações na forma de adimplir os contratos.


Óbvio que o legislador, ao propor o texto da Lei, se mostrou solidário com a situação atual, porém a pergunta é clara e a resposta é vaga: ao final, quem pagará e se responsabilizará por todo prejuízo que está sendo acumulado dia após dia?



- Vidal, Mariana G.

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

OPINIÃO JURÍDICA. DIREITO IMOBILIÁRIO

Dr Marcelo Manhães de Almeida contribuiu na redação da 8ª edição da revista Opinião Jurídica. Na página 80, o dr escreveu um artigo sobre o processo de planejamento urbano, sob a ótica das restrições