• Advocacia Manhães de Almeida

Obrigações, responsabilidades e limitações do condomínio em relação ao COVID-19

QUAIS OS MECANISMOS QUE PODEM E DEVEM SER ADOTADOS PELO CONDOMÍNIO PARA PROTEGER SEUS MORADORES? EM CONTRAPARTIDA, QUAIS AS ATITUDES DOS MORADORES QUE DEVEM SER RESTRINGIDAS E PUNIDAS?

A preocupação da coletividade em proteger os direitos individuais da posse e propriedade de imóveis, sobretudo quando existe compartilhamento de áreas comuns, traz, há muito tempo, discussões entre moradores, doutrinadores, legisladores e juristas.


Em condomínios residenciais, onde se acentua o compartilhamento de lugares comuns e o contato com os vizinhos, é imprescindível existir um maior senso de coletividade e respeito entre os moradores.


Contudo, diante de casos excepcionais, como o que vem ocorrendo recentemente com o rápido alastramento da doença causada pelo vírus COVID-19, o síndico, na representação do condomínio, deve tomar atitudes que não estão previstas na Convenção Condominial.


Mesmo tendo ciência de doenças altamente contagiosas durante os anos e séculos anteriores, inclusive tendo conhecimento de convenções de condomínio que remetem a cuidados para barrar o avanço da “peste negra” na Europa, Convenções Condominiais locais, por vezes, não estabelecem os cuidados e medidas extraordinárias para resguardar os direitos e deveres de seus moradores ante a um caso de pandemia.


Sendo assim, em casos excepcionais, nos quais a convenção de condomínio é omissa para delimitar ações e práticas realizadas pelos seus moradores, pode, em caráter insólito, o síndico impor regras transitórias e efêmeras, até que a situação seja normalizada.


É de suma importância que sempre a imposição de medidas mais drásticas pelo Condomínio venha acompanhada do devido embasamento jurídico e administrativo e, quando se tratando de questões relacionadas à saúde, por orientações da Organização Mundial da Saúde – OMS.


Isto porque, normalmente, as ações para conter disseminação de doenças contagiosas são medidas que restringem a circulação e locomoção dos moradores dentro do condomínio e exigem comportamentos que, se desatendidos, poderão ensejar a aplicação de multas e, até mesmo, a caracterização do denominado “condômino anti-social”.

Com isso, temos algumas considerações sobre as possibilidades, deveres e limites para o síndico agir dentro de situações como essa. Vejamos algumas delas:

(i) Suspender a identificação biométrica e acionar remotamente a abertura dos portões para entrada dos moradores, uma vez que tanto os aparelhos identificadores quanto os portões são potenciais ferramentas de dissipação do vírus;


(ii) Suspender as atividades ligadas a locação temporária como Airbnb e Booking, visando a redução do números de pessoas acessando o Edifício;

(iii) Limitar o uso de elevadores e escadas, diminuindo a quantidade de pessoas que acessam o elevador ao mesmo tempo;

(iv) Interdição parcial ou total de áreas comuns, como por exemplo, piscina, sauna, quadras, parquinho, salão de jogos e festas, churrasqueira e academia. Esses ambientes podem ser fechados totalmente ou parcialmente, devendo o síndico adotar medidas para reduzir o número de pessoas que acessam os locais ao mesmo tempo;


(v) Suspender a realização de assembleias e reuniões, devendo o síndico, passado o período de contingência, prestar contas a todos moradores;

(vi) Criar meios alternativos para comunicação com os moradores, como por exemplo grupos de whatsapp, e-mails e correspondência interna, inclusive se for o caso, permitir a realização de votação à distância, por meio de votos impressos que serão depositados em lugar específico e horário determinados, a fim de evitar que todos moradores saiam do apartamento ao mesmo tempo;


(vii) Mesmo sem audiência prévia, pode o síndico distribuir, pelo espaço comum, equipamentos e materiais que diminuam a propagação do vírus, como por exemplo, espalhar frascos de álcool em gel próximo das portas, elevadores, lixo e garagem, comunicados e cartazes instruindo os moradores de como agir e se higienizar etc;


(viii) Propor alteração dos turnos dos empregados a fim de não colocar em risco a vida de seus funcionários;


(ix) Realizar maior número de limpeza dos espaços com grande circulação, como elevadores e escadas com corrimão.


(x) Determinar a interrupção de reformas no Edifício que não sejam de caráter emergencial;


(xi) Obter, do Conselho Consultivo/Fiscal, validação de todas as medidas que estejam sendo tomadas;


(xii) Em relação a utilização das áreas comuns e realização de eventos em condomínio, há um projeto de lei (PLS 1179/2020) de autoria do Senador Antonio Anastasia que prevê, em seu artigo 11, o seguinte:

Art. 11. Em caráter emergencial, até 30 de outubro de 2020, além dos poderes conferidos ao síndico pelo art. 1.348 do Código Civil, compete-lhe:

I - restringir a utilização das áreas comuns para evitar a contaminação do Coronavírus (Covid-19), respeitado o acesso à propriedade exclusiva dos condôminos;

II – restringir ou proibir a realização de reuniões, festividades, uso dos abrigos de veículos por terceiros, inclusive nas áreas de propriedade exclusiva dos condôminos, como medida provisoriamente necessária para evitar a propagação do Coronavírus (Covid-19), vedada qualquer restrição ao uso exclusivo pelos condôminos e pelo possuidor direto de cada unidade.


Parágrafo único. Não se aplicam as restrições e proibições contidas neste artigo para casos de atendimento médico, obras de natureza estrutural ou a realização de benfeitorias necessárias.


Vale repisar que os moradores também possuem algumas obrigações, mormente no que se refere a não prejudicar o bom convívio social e não colocar em risco a saúde dos demais moradores, principalmente se tiver ciência de estar testado positivo com COVID-19, ou ter feito contatos recentes com pessoas que foram confirmadas.

Dessa maneira, é importante ressaltar que se o condômino agir de maneira negligente, facilitando a propagação do vírus entre os moradores, deve o síndico tomar medidas rigorosas como multas e medidas judiciais de emergência, sempre precedidas de notificação ao suposto infrator para que este possa prestar, se o caso, os devidos esclarecimentos sobre a conduta que lhe esteja sendo atribuída.


Sendo assim, percebe-se que diante de uma situação incomum e transitória, pode o síndico exercer a representação do condomínio, tomar atitudes que visem proporcionar maior conforto e segurança aos moradores e, no seu devido tempo e momento, fornecer a todos o balanço e prestação de contas do período.

- Vidal, Mariana G.

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

OPINIÃO JURÍDICA. DIREITO IMOBILIÁRIO

Dr Marcelo Manhães de Almeida contribuiu na redação da 8ª edição da revista Opinião Jurídica. Na página 80, o dr escreveu um artigo sobre o processo de planejamento urbano, sob a ótica das restrições